Recomendados

30 de agosto de 2015

Relembrando a Infância - Tocar campainhas, perder a tampa do dedão do pé, bons tempos...

          Fala galera, beleza? Bom, hoje vou falar um pouco sobre as brincadeiras da nossa infância que hoje em dia não fazemos mais (não sou muito velho, mas já saí da infância).

Bolinha de gude ou biloca:


          Eu lembro quando eu tinha meus 10 anos de idade, que eu ia pra fazenda, reunia todos os primos e alguns amigos, e ficávamos jogando biloca na terra, tinha vários estilos diferentes de jogos com essas bolinhas, tinha um que desenhava um triângulo na terra e colocavam umas bilocas la dentro e cada um tinha que ir jogando uma pra ir tirando as outras, outro era tipo um mata-mata que tinha cinco buracos no chão e você tinha que ir fazendo um circuito por eles junto com outro amigo, um tentando "matar" o outro, outro jogo era de desenhar uma linha e colocar umas bolinhas enfileiradas e os jogadores tentarem tirar, eram vários jogos, e faz muitos anos que não vejo ninguém brincando disso, era uma brincadeira boa. Eu devo até ter falado o conceito errado de alguns modos do jogo porque não me lembro direito, qualquer coisa me corrijam.


Futebol na rua:


          Esse ainda não está totalmente extinto, porque ainda vejo gente jogando, mas com o crescimento das cidades, com o grande fluxo de automóveis nas ruas fica até difícil jogar e também com os avanços tecnológicos muitos preferem ficar em casa usando o celular, computador, tablet, etc. Uns 10 anos atrás era fácil ver um monte de crianças brincando de futebol na rua, raramente aparecia um carro com um filho do exú pra passar por cima do seu tijolinho (que era a trave do gol quando não usava as chinelas) de propósito por pura maldade no coração, e a criançada xingava o cara de todo nome, se ele freasse o carro... Menino, só ia ver moleque correndo. Outra coisa que me lembro que doía muito era quando você armava um fucking mega chute e acertava o dedão no asfalto, aí saia aquela "tampa" do dedão parecendo um bife e você continuava jogando porque se você fosse pra casa, sua mãe ia passar Merthiolate e aquilo ardia igual o fogo do inferno, a criança podia perder o dedão do pé por infecção, mas não ia pra casa. E quando você derrubava o coleguinha na rua e ele apelava, nessa hora que começava a briga, aí o amiguinho colocava o chinelo ou sapato na mão pra correr atrás de você e se você fosse uma pessoa magrela igual eu fui ia sair correndo e rezando pra todos os santos te ajudarem enquanto não consegue entrar em casa (que parece ser do outro lado da cidade quando tem alguém furioso atrás de você), trancar a porta e ficar seguro da ameaça, a pessoa que quase era agredida só aparecia na rua uma semana depois. Preciso nem comentar o que acontecia quando um xingava o outro de "fi duma puta", moço, como diz o Thiago Ventura, surgia moleque de outra dimensão pra dizer "Nooooo, ce vai deixar?? Se fosse eu não deixava, hein?", e assim começava outra treta, mas era muito divertido jogar futebol na rua no fim do dia com os amigos e vizinhos e é algo que quase não se vê mais.




Esconde-esconde ou pique-esconde:


          Todo mundo já brincou disso, tenho certeza, uma pessoa ficava contando geralmente até 50 em algum lugar que era chamado de "pique" e os outros participantes que podiam ser poucos ou vários, iam se esconder, quando a pessoa que contava terminava a contagem, ela ia procurar os outros, se visse algum tinha que correr pro pique antes dessa pessoa que ela viu chegar e falar "1, 2, 3 fulano", o primeiro a ser "queimado" era o que ia procurar na próxima, até aí tudo bem, via o amiguinho, corria e falava o nome dele no pique, o ruim é que sempre tem um espertinho, que era o último a ser achado e conseguia chegar no pique antes de quem procurava e gritava "SALVO TODOS", isso dava uma dor no coração do contador, porque ele se empenhava tanto pra achar as pessoinhas e depois de achar quarenta e dez abigos, aparece um ser de outra dimensão pra gritar que salva todos, eu parava de brincar e ia embora '-'.


Tocar a campainha e sair correndo:


          Esse não é bem um jogo, mas não podia ficar de fora, era muito bom tocar a campainha da casa dos outros e sair correndo, melhor era quando saia aquelas "tia" revoltada e dizia que ia chamar a polícia se a gente fosse lá ficar tocando a campainha de novo, eu gostava de fazer isso.

________________________________________________________________________________________________

          Essas são algumas brincadeiras da infância que não fazemos muito agora, existem muitas outras assim como: Bete, Peteca, Uva, Maçã ou Salada Mista, Queimado, dentre outras, mas eu quis falar só do que eu mais brincava mesmo, se você se lembra de alguma deixe nos comentários, se gostou do blog curta nossa page que está na lateral do blog, compartilhe com seus amigos que ajuda bastante. Então é isso, o post ficou meio grande mas pode considerar um especial de domingo. Até a próxima, obrigado!

Vitor Kurosaki.

Nenhum comentário:

Postar um comentário