Recomendados

24 de novembro de 2015

Tragédia em Mariana: Consequências para o ambiente, chances de recuperação e mais...

Se você estava no Brasil nos último 19 dias, com certeza ouviu falar do rompimento da barragem de rejeitos da mineradora Samarco, que tem como donos a Vale e a anglo-australiana BHP. Essa tragédia ocorreu no dia 5 de Novembro de 2015, em Minas Gerais na cidade de Mariana, e causou uma tsunami com mais de 60 milhões de metros cúbicos de rejeitos do minério de ferro. Uma enxurrada de lama aniquilou o distrito de Bento Rodrigues sem qualquer chance de defesa e atingiu ainda outros sete.

Essa região pode levar séculos e séculos para se recuperar e alguns problemas que isso está causando são o assoreamento, o acúmulo de sedimentos na calha do rio, que causa impactos socioeconômicos e ambientais, segundo Rodrigue Júdice mais de três toneladas de peixes mortos foram retirados do Rio Doce, isso sem contar a quantidade de residências que foram destruídas com a passagem da lama, mais de 120 casas foram afetadas pelo problema, e de acordo com o diretor da Metabase, Valério Vieira dos Santos, o número de mortos está entre 15 e 16 pessoas e 45 estão desaparecidas, mas não tem nenhum número oficial de vítimas.


Os rios Gualaxo do Norte, do Carmo e Doce foram esterelizados e o destino final dessa lama foi o mar do litoral do Espírito Santo, que é onde o Rio Doce tem sua foz. O impacto ambiental foi tão grande que é difícil de avaliar, a mineradora deverá arcar com com a reconstrução das áreas afetadas, pagará indenização para as famílias das vítimas e ainda recebeu multas do Ibama que se estimam um valor de 250 milhões de reais.

A água da praia do município de Linhares (ES) é algo realmente triste de se ver, pois estão se formando ondas com cor marrom, a mancha está se espalhando pelo oceano e foram usadas boias de contenção mas, sabiam que não iam funcionar, pois essas boias são para conter vazamentos de petróleo, mas de acordo com a Samarco, as boias "seguraram a lama mais grossa". De acordo com a ministra de Meio Ambiente, Izabella Teixeira, a lama não vai atingir o arquipélago de Abrolhos, que fica a 250km do litoral.

Isso foi um acontecimento muito marcante para nosso país, ver os rios, mar e a cidade naquela situação é de partir o coração, agora temos que nos solidarizar por esse povo, e esperar para ver quais serão as decisões tomadas para ajudá-los, mas alguns danos são irreversíveis.

Enquanto eu escrevia a energia caiu umas duas vezes, pretendo fazer um texto sobre isso também, mas está aí uma síntese bem sintetizada sobre a tragédia ocorrida em Mariana, obrigado por lerem, até a próxima.

Fontes: G1, Brasil Estadão, Veja, Me Explica e Portal R7.

Vitor Kurosaki.

Nenhum comentário:

Postar um comentário